quinta-feira, 3 de maio de 2012

A cura de um leproso - parte 3


E se fosse diagnosticado a lepra?

O QUE SE FAZIA COM UM LEPROSO ?

  1. Ele era expulso de casa, condenado a viver fora do acampamento de Israel, e da sociedade (Núm. 5:1-4; 12:9-15; II Reis 15:5),
  2. Proibido de entrar em qualquer cidade (II Reis 7:3).
  3. O leproso devia vestir roupas rasgadas, deixar o cabelo emaranhado e clamar "imundo, imundo!", se alguém se aproximasse (Lev. 13:45 e 46).
  4. Ficar 100 metros de distância de qualquer pessoa, e andar com um sino amarrado no calcanhar para dizer que um Imundo estava chegando
5.     os dez leprosos – ficaram a certa distância, de longe“ (Luc.17.12).

Nós retratamos este assunto sobre a lepra por causa do nosso personagem, anos e anos vivendo como um
Leproso. Ele havia contraído uma enfermidade terrível, conhecida como a pior de todas as enfermidades daquela época. Então agora que você já sabe como eram tratados os leprosos e o que aconteciam com eles você vai entender melhor a situação deste homem.

Fizemos esta abordagem para você compreender o seu estado de dor e aflição, porém ele não vai se contentar, se conformar com o seu estado e vai à procura de Jesus. Ele ouve falar de Jesus, sabe que Jesus está perto, mas existem muitas barreiras que o impedem de ir até Jesus. Ele precisa alcançar um milagre, mas para ele alcançar o milagre ele precisa gerar atitudes que geram mudanças. As oposições são diversas, todas as contrariedades a ele são muitas. E o pior todos dizem que não tem jeito que será impossível, que ele nunca vai conseguir.

Mas independente a tudo isso este homem precisa gerar atitudes que geram mudanças.

Como gerar atitudes que geram mudanças no estado deste homem?

1º - Este homem era um leproso em estágio terminal e já havia perdido todas as suas expectativas

(Lucas 5:12) - E aconteceu que, quando estava numa daquelas cidades, eis que um homem cheio de lepra, vendo a Jesus

1.     Lucas era médico e entendia da abrangência da enfermidade daquele leproso, ele diz no texto bíblico que o homem estava cheio de lepra.

2.     Lucas utiliza um termo grego que é quase exclusivamente usado por ele em alguns textos lucanos, a expressão “pleres”.

3.     Lucas quer nos informar sempre que utiliza a expressão “pleres”  que a palavra relaciona-se à característica dominante na vida da pessoa.

4.     Lucas usa “pleres” para nos informar que o homem pode estar: cheio do Espírito Santo ; cheio de fé ; ou mesmo negativamente cheio de lepra.

O Comentário Esperança corrobora conosco nesta explicação e diz que: A expressão grega pleres lepras (cheio de lepra), que pode ser traduzido por “ coberto de lepra de alto a baixo”, é um termo técnico médico.

Este homem estava no auge da enfermidade, isto é tomado completamente pela lepra. (feridas, nódulos, em todas as partes do corpo, do alto da cabeça à planta dos pés, uma aparência horripilante para quem o via)

Acompanhe o processo de crescimento da lepra no seu estágio inicial ao desenvolvimento gerado por ela

  1. Manchas brancas
  2. Feridas ou nódulos
  3. Perca da sensibilidade
  4. Perca dos pedaços do corpo
  5. A pele passava a possuir lesões, feridas e apodrecia a carne do leproso.
  6. O mau cheiro e o aspecto físico eram insuportáveis
  7. Só restava a morte.

2º - Este homem era um excluído da sociedade

Este homem não passava de um excluído, de um marginalizado dentro de uma sociedade regida e marcada pelos conceitos do "puro" e do "impuro".

Diz a Lei:

"O leproso trará suas vestes rasgadas e seus cabelos desgrenhados; cobrirá o rosto e clamará Imundo! Impuro! Enquanto durar a sua enfermidade, ficará impuro e, estando nesta condição, habitará à parte; sua morada será fora do acampamento“  (Lv 13. 45-46).

1. As vestes estariam sempre rasgadas. Era proibido colocar uma roupa decente, passada, sem rasgões. A indumentária era a sua auto-denúncia.

2. Cabelos desgrenhados, sem nenhum trato, marcando-lhe com um aspecto tétrico e insano.

3. Rosto sempre coberto com uma das mãos, ou mesmo com as duas, numa atitude de quem não tem sequer o direito de falar. Não tinha vez.

4. A única palavra que poderia clamar para chamar mais ainda a atenção de que era segregado e para que ninguém se aproximasse dele, era: Impuro! Imundo! Leproso!

5. Enquanto permanecesse leproso não poderia conviver socialmente. Habitaria fora do acampamento, distante do arraial, elonge de todos.

Era uma exclusão natural que lhe deixava mergulhado na humilhação e na dor.

Seu aspecto era anti-humano. Tinha a aparência de um bicho.

3º - Além de excluído, tratado como morto, ele era um transgressor da lei divina no conceito judaico

O leproso era considerado como inexistente, como um morto, um animal banido, pois segundo o conceito judaico ele era alguém castigado por Deus por causa de alguma transgressão especial. Então ele era digno de repúdio, de desprezo, de ser humilhado diante de todos. E o pior de ser esquecido, com certeza alguém se lembrava dele, pais, filhos, esposa ou esposo. Porém era um leproso, nunca mais ele poderia voltar a não ser se a misericórdia de Deus o alcançasse e o perdoasse. Só lhe restava uma cois a morte.

Ele sabia com todas as letras: “Eu sou um leproso”, e se ele se aproximasse seria apedrejado pelos outros, sem dó, sem direito a defesa, e sem perdão..

Segundo o Comentário Esperança: A cura do leproso deve ter acontecido nas cercanias de Cafarnaum ou na própria Cafarnaum. O texto grego descreve de forma palpável a surpresa causada pelo imprevisto e terrível aspecto. O enfermo estava lá sem que alguém o tivesse visto aproximar-se. Com certeza isso era uma surpresa, afinal ele havia transgredido os preceitos da lei.

Mas foi assim deste jeito que este resto de gente, este lixo como dizia a sociedade judaica, chegou até Jesus.

Porém para chegar até Jesus ele precisava gerar atitudes que gerariam mudanças na sua vida, em seu pensamento, em sua mente.

Segundo a Wiquipédia - Atitude designa em psicologia a disposição ligada ao juízo de determinados objetos da percepção ou da imaginação - ou seja, a tendência de uma pessoa de julgar tais objetos como bons ou ruins, desejáveis ou indesejáveis. A atitude se diferencia da postura pelo maior grau de concretude dos objetos a que se refere - assim, o limite entre esses dois construtos não é claro. Como no caso das posturas, há grande dificuldade na busca de uma classificação abrangente de todas as atitudes possíveis, pois os objetos a que uma atitude se pode referir são muito heterogêneos e concretos.[1]
Atitude foi objeto de estudo sobretudo da psicologia social e em suas subdisciplinas mais aplicadas: na psicologia política (ex. atitude em relação a determinados programas e partidos políticos), na psicologia da propaganda (atitudes em relação a produtos) e na psicologia da saúde (atitude com relação a comportamentos ligados à saúde - como fumar ou beber). A psicologia experimental dedicou-se sobretudo à pesquisa de um tipo especial de atitudes ligadas a grupos de pessoas: o preconceito.

“A maior descoberta da minha geração é que qualquer ser humano pode mudar de vida, mudando de atitude”. (William James) 

O mesmo Willian James diz: Atitudes são constatações, favoráveis ou desfavoráveis, em relação a objetos, pessoas ou eventos. Uma atitude é formada por três componentes: cognição, afeto e comportamento. O plano cognitivo está relacionado ao conhecimento consciente de determinado fato. O componente afetivo corresponde ao segmento emocional ou sentimental de uma atitude. Finalmente, a vertente comportamental está relacionada à intenção de comportar-se de determinada maneira com relação a alguém, alguma coisa ou evento. 

Toda atitude que geram mudança começa dentro de mim no meu interior.

Aquele leproso tinha tudo ara dar errado, mas ele gerou atitudes de mudanças.

Mas como pastor? O que ele fez? Onde ele encontrou forças?

1.     Ele sabia que estava condenado
2.     Ele sabia que tudo estava acabado

Mas ele ouviu falar que havia uma esperança. JESUS...

Ele desistiu? Não? O que levou ele a ir até Jesus?

Continua...

Pr. Ezequiel Barbosa

3 comentários:

  1. Parabéns pelo trabalho que Deus abençoe sua vida e seu ministério

    ResponderExcluir
  2. Parabéns pelo trabalho que Deus abençoe sua vida e seu ministério

    ResponderExcluir
  3. Parabéns pelo estudo pastor.
    Deus abençoe seu ministério.

    ResponderExcluir